Resenha The Kiss of Deception: Crônicas de Amor e Ódio – Volume 1

Tempo estimado de leitura 4 min leitura

“Eu encontrarei você. No recanto mais longínquo, eu encontrarei você”.


Sinopse:

Tudo parecia perfeito, um verdadeiro conto de fadas, menos para a protagonista dessa história. Morrighan é um reino imerso em tradições, histórias e deveres, e a Primeira Filha da Casa Real, uma garota de 17 anos chamada Lia, decidiu fugir de um casamento arranjado que supostamente selaria a paz entre dois reinos através de uma aliança política. O jovem príncipe escolhido se vê então obrigado a atravessar o continente para encontrá-la a qualquer custo. Mas essa se torna também a missão de um temido assassino. Quem a encontrará primeiro?

Quando se vê refugiada em um pequeno vilarejo distante, o lugar perfeito para recomeçar, ela procura ser uma pessoa comum, se estabelecendo como garçonete, e escondendo sua vida de realeza. O que Lia não sabe, ao conhecer dois misteriosos rapazes recém-chegados ao vilarejo, é que um deles é o príncipe que fora abandonado e está desesperadamente à sua procura, e o outro, um assassino frio e sedutor enviado para dar um fim à sua breve vida. Lia se encontrará perante traições e segredos que vão desvendar um novo mundo ao seu redor.


Crítica:

Já faz algum tempo, que venho lendo resenhas sobre The Kiss of Deception, e o quanto sua leitura é incrível e imprescindível, por isso, fiquei ansiosa e comprei o livro, fiquei contando os dias, para que ele chegasse, e agora, após concluir a leitura, tenho que concordar com todas as resenhas positivas que li. O livro conta a história da Princesa Arabella Celestine Idris Jezelia, Primeira Filha da Casa de Morrighan, ou Lia, como é conhecida pelos seus irmãos e sua fiel amiga Pauline. Lia não queria ser Princesa, assim como, não queria o casamento arranjado por seu pai, ela queria o “mundo” que não foi imposto a ela, por isso, no dia do seu casamento, ela foge para Terravin, buscando uma vida que ela pudesse escolher, buscando ser amada por quem era. O que Lia não esperava era que o Príncipe abandonado, assim como um assassino, partiriam em uma viagem a sua procura.E é nesse ponto que Mary nos surpreende, pois esse poderia ser apenas mais um livro que apresenta um triangulo amoroso, mas não, ao longo da excelente escrita da autora, que mescla a narração de Lia, o Assassino e o Príncipe, Rafe e Kaden, somos apresentados a um mundo e uma linguagem totalmente novos, acompanhando o crescimento de Lia e junto a ela, conhecemos Rafe e Kaden, sem saber ao certo, quem é o Príncipe e quem é o Assassino. Os dois possuem características apaixonantes e mistérios, e para além do que os motivaram a procurar Lia, crescem enquanto personagens, o que me fez querer entender os seus costumes e motivações. Em sua jornada, Lia nos apresenta boas reflexões sobre nossos deveres, nossa devoção à família, aos amigos, a quem amamos e nos importamos, assim como, nos faz perceber, que nem tudo é tão feio ou bonito, quanto aparenta e muitas vezes, precisamos aprender a escutar, para entendermos o nosso papel no mundo. Este é o apenas o primeiro livro da saga de Lia, que conta com um final tão impressionante, que mal posso esperar para ler o segundo livro. Acredito que todos que gostam de um bom mistério, assim como um bom romance, deve se entregar a esse lançamento eletrizante. Mary E. Pearson criou um mundo totalmente novo, com costumes e cânticos que devem conhecidos, um mundo com linguagem e disputas próprios, um mundo onde Primeiras Filhas precisam conhecer seus dons, e que possui vários mistérios a serem descobertos. É impossível falar do livro, sem citar a excelente edição da DarkSide. O livro é em capa dura, e apresenta uma edição belíssima, com mapas do mundo criado por Mary E. Pearson. Boa leitura a todos que aceitarem se renderem a esse mundo, tenho certeza que não iram se arrepender.


“Os bons não fogem, Lia”.

Informações Extras:

✋ YOO. Onde comprar: #Darkside, #Americanas, Amazon ABAIXO.


Tags: #livros, #romances, #darkness, #crônicas, #Fantasia, #Jovem, #adulto, #LiteraturaEstrangeira, #Ficção